6 Momentos mais marcantes e inspiradores dos Jogos Olímpicos ao longo dos anos

BEM NO MUNDO

6 Momentos mais marcantes e inspiradores dos Jogos Olímpicos

Os Jogos Olímpicos são um acontecimento especial para grande parte dos atletas – e também um momento de acontecimentos verdadeiramente inspiradores. Aproveitando que, neste ano, o Brasil está sediando as Olimpíadas, vamos dar uma olhada em alguns dos momentos mais inspiradores dos últimos 90 anos de Jogos Olímpicos. 

Estes atletas incríveis tocaram milhares de pessoas

Coreia1. Coreia do Norte e do Sul se reunindo

Nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, a Coreia do Norte e do Sul conseguiram colocar suas diferenças de lado e encontraram motivos para entrarem lado a lado, em um dos momentos mais bonitos das Olimpíadas. Em uma bela exibição de unidade, as duas nações marcharam juntas na cerimônia de abertura sob uma bandeira unificada.  Enquanto os dois países competiam separadamente, a marcha conjunta simbolizava uma abertura para a paz e a cooperação e de esperança para um amanhã melhor.

Jesse2. Jesse Owens provando que Hitler estava errado

O atleta Jesse Owens devia estar se sentindo estranho, como se ele não pertencesse aquele lugar. Ele era afro-americano e estava competindo no atletismo em 1936 em Berlim. Por causa da sua cor de sua pele, a Alemanha de Hitler viu Owens como um atleta inferior e fraco. Owens não deixou se abalar e tomou o preconceito contra ele como motivação para vencer. Acabou ganhando não só uma, mas quatro medalhas de ouro (nos 100 metros, nos 200 metros, salto em comprimento, e revezamento 4×100).


Wilma3. Wilma Rudolph acreditava no impossível

Wilma Rudolph nasceu prematuramente e contraiu poliomielite quando criança. Os médicos disseram que provavelmente ela nunca mais iria andar ou correr novamente. Mas isso não impediu Wilma. Com muita força de vontade e muito treino, ela finalmente se livrou de sua perna robótica independente e começou a correr no atletismo. Em 1960, ela conseguiu o que ninguém imaginava possível, e competiu nos Jogos Olímpicos de Verão, em Roma. Wilma tornou-se a primeira mulher americana a ganhar três medalhas de ouro e ainda é considerada uma das corredoras mais rápidas de todos os tempos.

equipe4. Os jamaicanos conquistam a todos

Quando a equipe de bobsleigh jamaicana foi introduzida nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1988, era a primeira vez que a equipe via neve real. Os bobsledders,  completamente inexperientes, bateram o trenó,  perdendo a prova. Eles não ganharam nenhuma medalha, mas a incrível demonstração de coragem e espírito esportivo ganhou todo mundo quando os homens cruzaram a linha de chegada a pé, sorrindo e apertando a mão de espectadores. Seis anos mais tarde, em 1994, eles ainda conseguiram bater os EUA e equipes francesas e chegaram em 14º.

Dan5. Dan Jansen nunca desistiu

Dan Jansen sempre sonhou em ser um patinador de velocidade. Nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1988 no Canadá, ele poderia finalmente provar seu talento para o mundo, mas foi quando a tragédia aconteceu. Algumas horas antes de ir competir nas corridas de 500 e mil metros, soube que sua irmã havia falecido. Devastado, ele escolheu competir, mas a dor venceu e o atleta caiu em ambas as corridas. Jansen, no entanto, não era de desistir facilmente. Ele competiu novamente em 1992 e depois de perder o ouro de novo, voltou em 1994 para uma última tentativa de uma medalha. Ele não só ganhou o ouro na corrida de mil metros, mas também estabeleceu um novo recorde mundial. Seis anos depois de sua primeira tentativa, ele dedicou sua medalha de ouro para a irmã.

Billy6. Billy Mills deixou um nome e um legado

Billy Mills ficou órfão aos 12 anos e cresceu com os seus avós na pobreza. Através da perseverança inabalável, o americano conseguiu participar pela primeira vez na Olimpíada de Tóquio em 1964, competindo na corrida de 10 mil metros. O corredor até então desconhecido teve que pedir emprestado um par de sapatos, porque o patrocinador da sua equipe só deu sapatos para vencedores. Mills surpreendeu a todos quando de repente partiu para uma corrida incrível, cruzando a linha de chegada em primeiro lugar e estabelecendo um novo recorde olímpico. Billy cumpriu a profecia de seu pai, que, depois da morte da mãe, disse: um dia você vai voar como uma águia.

Fonte: GOODNET
Tradução: João Vitor Boni / Notícias do Bem
Edição: Vania Nochi / Notícias do Bem

10/08/2016

10/08/2016 14:12

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *