Como o amor entre mãe e filha ajudou no tratamento de Câncer

BEM PENSADO

Como o amor entre mãe e filha ajudou no tratamento de Câncer

Passamos por muitas experiências ao longo de nossa vida e, no momento em que vivemos momentos difíceis, parece impossível tirar algo de bom daquela vivência. Porém, com o passar do tempo, aprendemos a admirar o lado bom das nossas dores.

Hoje, tenho 43 anos e posso dizer que aprendi a olhar o lado positivo das experiências difíceis. Essa é uma lição que nos faz perceber a parte cheia do copo cada vez mais rápido e encontrar a superação em nossas vidas.

Quando eu tinha quinze anos, eu e minha família tivemos um acidente de carro em que meu irmão de dez anos faleceu. A morte de uma criança é sempre muito difícil, ainda mais em um acidente, foi um grande trauma em minha vida. Entretanto, conseguimos superar com muita ajuda dos familiares, amigos, psicólogos e principalmente espiritualidade e fé.

A vida continuou, fiz faculdade, comecei a trabalhar, me casei e tive minha filha. Quando ela estava com dois anos (e eu com trinta e cinco), tive o diagnóstico do câncer de mama. Foi muito difícil enfrentar a cirurgia, quimioterapia, radioterapia e a perda de cabelos, ainda mais porque nesse período percebi que meu relacionamento não tinha mais sentido. Assim que o tratamento terminou, eu estava no fundo do poço e ainda careca, mas percebi que teria que enfrentar mais um grande desafio, e pedi o divórcio.

Reconstruí minha vida. Porém, quatro anos depois tive o segundo diagnóstico de câncer na mesma mama direita. Ter o câncer de novo é apavorante, dá muito medo achar que ele pode sempre voltar. Durante a quimioterapia, intensifiquei a psicoterapia e entrei em contato com sentimentos profundos. Naquele momento, eu percebi a ligação que ainda existia entre o que eu estava vivendo e o acidente e a morte do meu irmão vinte e cinco anos antes.

O impacto que as dores, traumas e perdas podem causar em nossa vida no longo prazo são inimagináveis. Por esse motivo, encarar os sentimentos é fundamental para nosso bem-estar.

Contei todos esses fatos da minha experiência porque quero compartilhar os ganhos positivos que também tive em minha vida como consequência desses traumas.

Durante a quimioterapia do segundo câncer, há três anos, comecei a escrever e colocar todos os sentimentos no papel para me ajudar e exorcizar todos os meus “fantasmas”. Percebi que o que eu tinha escrito poderia ajudar outras pessoas. Tive ainda uma forte intuição de que colocar todos os textos em um livro e compartilhar esse aprendizado seria importante para minha cura. Naquele momento, encontrei um novo sentido para minha história e renasci, VIVIFIQUEI. Dessa experiência nasceu o livro “Vivificar, superando o imponderável” que conta em detalhes como fiz as transformações positivas em minha vida e as três lições fundamentais para que as pessoas possam fazer o mesmo em suas vidas.

Foram vários aspectos positivos que ganhei em minha vida. Eu escolhi olhar o lado positivo, aprendi que ser feliz é uma escolha e que todos podem fazer essa escolha. Afinal de contas, somos nós que escolhemos como queremos interpretar nossas experiências, além de permitimos o que deixar entrar em nossas vidas e o que não permitimos. Diariamente, no momento que você acorda, você escolhe se seu dia será bom ou ruim. Se algo difícil acontece no seu dia, é você que escolhe se deixa aquilo dominar seu dia ou se resolve, se dá a volta por cima e acredita que o dia será melhor. Afinal, mais importante do que aquilo que você viveu é o que você faz com essa experiência. E essa é uma escolha que somente você pode fazer em sua vida.

Depois que eu terminei o tratamento do primeiro câncer, me divorciei. Pensei, pedi a Deus, ao universo, que quando eu conhecesse uma nova pessoa em minha vida, que ele tivesse raízes e crenças mais parecidas com as minhas. E sabe o que aconteceu? Três meses depois eu conheci meu marido. Ele tem as mesmas origens que eu, somos da mesma cidade pequena do sul de Minas Gerais, Guaxupé, somos de família de origem sírio libanesa e temos crenças muito parecidas, somos do mesmo signo e fazemos aniversário no mesmo dia! Foi um encontro MÁGICO! Às vezes, você precisa ter coragem e força para dar o primeiro passo, de repente você percebe que estava tudo pronto esperando por você.

Em todo esse período, pude me aproximar da minha filha e seu amor e cuidado foram fundamentais em todos os momentos. Ela e meu marido têm uma relação muito gostosa e vivemos muito bem. Temos altos e baixos como todos, mas aprendemos a lidar com esses momentos com conversa, transparência e sendo sinceros com nossos sentimentos. Aliás, no meu ponto de vista, ser sincero com seu sentimento e escutar a intuição para dar os próximos passos é o fator mais importante para encontrar o caminho da vida e sentir-se pleno e feliz diariamente.

Viviane

* Viviane Ferreira é palestrante e autora do livro “Vivificar: Superando o Imponderável”, que contou um pouco da experiência de ser mãe e, ao mesmo tempo, passar por dois tratamentos de câncer de mama.

08/06/2016

08/06/2016 08:52

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *