A vida mora nas coisas simples

Em tempos difíceis podemos seguir devagar.

Aguar as plantas, brincar com as crianças, fazer aquele bolo gostoso e comer com café.

Aguar as plantas, brincar com as crianças em casa

Em tempos de medo, melhor andar um passo de cada vez. Talvez não seja hora de grandes planos.

Olho no olho, compartilhamento de tarefas e de vida pode ser o passo certo.
Em tempos de angústia, para que acumular tanto? Um short e uma camiseta, pés descalços, uma música e uma ciranda e seguimos girando.

Não está fácil, estamos pausados e nos nossos ouvidos sopram só tormentos.
Em tempos difíceis, nos resta celebrar a vida que temos, a saúde, o alimento e fincar os pés na fé.

Em tempos duros, faça mais que dizer que ama, demonstre. Afague o cabelo das crianças, durmam todos na mesma cama, faça massagem no companheiro, tome banho de mangueira. Flexibilize a vida.

Em tempos ruins, esquenta a água, põe o chá pra fazer,  sente com as crianças, faça caretas, aperte as bochechas, acolha o choro.

Fazer aquele bolo gostoso e comer com café.


Em tempos de limitação abra exceção. As paredes podem ficar mais alegres se ganharem desenhos.

Em tempos de tristezas, não se demore nas desavenças. Um pedido de desculpas e um abraço apertado pode curar mais que muito remédio controlado. 

Quando esses tempos acabarem, talvez a gente perceba que a vida mora nas pequenas coisas mesmo.

Texto e Fotos: Bruna Oliveira @brunamamaesincera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *